Follow by Email

sábado, maio 22

Apenas o Fim


Há muito tempo (mais de um ano) procurava para download Apenas o Fim. Esse filme ganhou o prêmio do público do Festival do Rio de 2008 e menção honrosa do público. Duas vitórias absolutamente inúteis quando se trata de colocar uma produção local em circuito nacional. Não chegou nem perto de ser apresentado pelas bandas de cá do país, mesmo a gente tendo alguns points alternativos na cidade. E três vivas a Internet que mais uma vez me proporciona a possibilidade de compartilhar os bens culturais digitais. E deixar de ser um pouco menos tão periferia da humanidade.

Essa semana, finalmente, localizei uns links do filme. O primeiro, inútil. Depois de algumas horas descobri que o filme linkado era outro. Frustração. Mas a segunda tentativa foi ainda mais cruel. Um site meio mambembe disponibilizou numa velocidade de matar tartaruga de tédio. Entre 6 e 14 kbs. Ou seja, mais de 24 horas para por Apenas o Fim no HD, e ainda com a possibilidade de ser novamente ludibriado. Mas nem fui, com a graça de todos os santos protetores das conexões da net.

Geralmente grandes expectativas são as antecessoras de frustrações da mesma monta. Ou embotam tanto com os sentidos que não raras vezes o que vier é considerado o supra sumo da criação de Deus. Algo um show dos Back Street Boys. Ótimo para mentes mexidas pela a adrenalina da insensatez e falta de bom senso ad infinitum.

Não é o caso com Apenas o Fim. Toda a espera foi recompensada, com créditos. Um roteiro sem grandes pretensões mas que por causa disso mesmo mostra a genialidade do simples. Traz a história de uma menina que quer traçar o seu próprio rumo, mudar de vida, ser alguém que consiga se liberar do padrão socialmente posto a todos nós. Mas, para isso, tem de romper não só com o seu passado mas com um namoro. Do nada, precisa explicar ao seu namorado que já deu, que a sua necessidade de transformação precisa de fato acontecer, ou ela explodirá em plena luz do dia. Não literalmente, é claro.

Dá a ele o prazo de uma hora, que é quase a duração do filme, e oferece duas alternativas: ou transar pela última vez ou passar o tempo em seu último diálogo. A princípio, ele pede os dois, mas diante da situação que se apresenta, um desfecho de um relacionamento, fica com a segunda possibilidade. E na hora que se segue procuram ser o mais sincero um com o outro, ao mesmo tempo que absorvem com a calma necessária tudo o que o outro tem a lhe dizer. A vida a dois em revista, sobriamente.

Dificil não se identificar com algum ponto da trajetória, de não achar que já viveu alguma coisa semelhante ao longo de nossos próprios relacionamentos. O filme, em nenhum momento, resvala para o dramalhão ou na busca de arrancar lágrimas da platéia. É divertido, consequente. Um bom momento para a gente passar em revista nossos próprios sentimentos. E também aprender que determinadas decisões em nossas vidas devem ser tomadas enquanto a gente é novo. Enquanto há tempo para se recompor. Mais sobre o filme pode ser lido no site omelete. http://omelete.com.br/cinema/critica-apenas-o-fim/, que é citado em Apenas o Fim. Como é triste saber que obras como essa demandam tanto esforço e paciência de minha parte para que a gestalt seja fechada.

Nenhum comentário: