Follow by Email

sexta-feira, maio 29

Cenário perfeito

A cidade de Fortaleza está na disputa para ser uma das sub-sedes da Copa de 2014. As 12 cidades serão anunciadas neste final de semana, pela Fifa. Mas estão dizendo que vai desistir para sediar o Paris - Dakar. O post abaixo justifica a candidatura.

terça-feira, maio 26

Operação tapa buracos



Na última sexta-feira, a Prefeitura de Fortaleza iniciou uma operação tapa-buracos. E, como podem ver nas fotos, está alcançando um retumbante sucesso. Essas duas crateras em bairros nobres da cidade foram devidamente preenchidas. Então, faça a sua parte! se souber de alguma vala ainda aberta, não deixe para depois. Jogue o seu veículo imediamente dentro e contribua de forma solidária pelo fim dos buracos.

segunda-feira, maio 25

Idéia de presente


Se alguém está em dúvida sobre como me presentear no meu aniversário, natal, dia da pátria, ou simplesmente quiser fazer um mimo, está aí a minha ideia. O nome é Kindle DX. Um suporte digital para arquivos de livro, com capacidade de até 3.500 unidades, muito mais do que a maioria dos mortais irá conseguir ler em um única encarnação. Já existem quase 300 mil disponíveis para quem já tem o suporte, só que a grande maioria na língua bretã.

Essa é uma das mais espertas saídas ecológicas pela preservação de árvores. Talvez o fim do papel esteja próximo. Eu assim desejo...

sexta-feira, maio 22

O Padilha na Vila


Antes da pré do Garapa, o José Padilha dividiu umas idéias com um pequeno grupo que se dispôs a ouvi-lo na noite de ontem. Entre algumas coisas, disse que o Tropa de Elite é daquele jeito porque o Bope assim também o é. Não se assustou em nenhum momento com as insinuações de que seria um filme facista. Nem eu.

A vida é colorida mas a fome é cinza

O Zé Padilha arrochou o nó. Meteu goela abaixo de todos nós que fomos lá ver o Garapa a fome que grassa nossos rincões. A verdadeira face do Fome Zero é muita fome, e zero de melhoria de vida do povo. Agora ninguém mais vai sucumbir de uma hora para outra que nem judeu em campo de concentração. Todos têm direito a mitigar subnutrição dias a fio, com a saudável perspectiva de receber alguma ajuda bissexta.

Em preto e branco, o diretor de Tropa de Elite retratou o cotidiano de três famílias sobrevivendo, cheia de filhos, em condições sub-humanas. Não é só a falta de alimentação que ressalta aos olhos no filme Garapa (mistura de água e açúcar oferecida às crianças nos dias em que falta o leite). Tantas outras carências acompanham as cenas. Falta higiene, água potável, um lugar minimamente limpo para o convívio. Meninos e meninas na primeira idade dividem espaço com cachorros e porcos. Moscas infestam os pruridos na pele de um que recém deixou de engatinhar. E o médico diz que é só uma alergia. Basta livrá-lo das muriçocas que as chagas Irão desaparecer. Mas como é que isso poderia acontecer?

E tudo rodado em preto e branco em Fortaleza e mais duas localidades interioranas. A escolha das famílias, segundo o diretor, foi totalmente aleatória. Mas se ele quisesse escolher, acharia desgraças muito mais graves.

As pessoas retratadas também em tons de cinza pareceram-me extremamente apáticas. Notadamente os homens. Como se estivessem conformados com a morte-lenta. Se há alimentos para 15 dias, a cada mês, porque se assustar com a morte? Então a parada é se maldizer, condenar os infortúnios advindos da má sorte, e transferir a responsabilidade para o céu que não quer chover.

sábado, maio 16

Pela democratização da cultura

Estou decidido a criar uma ONG. Já tem até nome. É Movimento em Defesa do Livre Acesso à Cultura Digital - O MODELA. Nada como sofisticar um pouco no batismo para defender uma causa que muitos já julgam como legalmente perdida. Mas se tem quem está se lixando para a opinião pública, tem também aqueles que precisam da opinião pública para sobreviver. Determinados políticos compram votos e consciências, mas outros se locupletam da mobilização popular. Não é assim? Ou estou muito enganado?

A minha ONG vai defender o que vem sendo equivocadamente de pirataria. Hoje, quando se faz um download de qualquer música, filme ou livro pode ser enquadrado em descumprimento da lei do direito autoral. É claro que ninguém nunca viu nenhum autor reclamando de pirataria. Só quem reclama é gravadora, estúdio ou editora, que são aqueles que enricam a partir da criatividade dos outros. E o pior se utilizam de pseudo vazamento de obras pra amealhar somas cada vez maiores de grana.

Explico. Tudo mundo sabe, ou pelo menos ficou agora sabendo que o filme Wolverine teve uma cópia pré-finalizada disponibilizada na Internet. Downloads se multiplicaram e muitos puderam ver a obra antes do lançamento pelo cinema. Ao contrário de esvaziar as salas de projeção, o que seria uma pirataria foi um golpe de marketing. Moral da história é que só na primeira semana Wolverine faturou US$ 87 milhões batendo todos os recordes de bilheteria da história. Muita coincidência, não? O mesmo aconteceu com Tropa de Elite, que também foi pra rede antes da tela e também se transformou em campeão de público no Brasil, o maior de todos de 2008.

Provado e comprovado que não é a divulgação das obras que impede as vendas. O que está fechando lojas de CDs são os altos preços cobrados. É incrível como alguém quer faturar mais de R$ 40, 00 quando não gasta nem R$ O,50 para produzir. É sobre isso que vou me posicionar. Com download free e preços acessíveis, tenho certeza que as produções vão novamente conseguir grandes tiragens. E quero o apoio de todos os autores...Vamos a luta companheiros!!!
Quem quiser participar do movimento, deixe um comentário aqui embaixo.

domingo, maio 10

Luzes de maio


Há dias que o bilho do sol fica mais bonito aos nossos olhos. Este tom dourado, precariamente captado mexeu com o meu sentimento. Para ver ampliado, clique na foto.

sábado, maio 9

Não sou o Jack Sparrow mas...

Tenho um amigo que só ouve música de CDs originais e se recusa a fazer downloads na Internet de filmes ou de mp3. Recusa-se peremptoriamente a portar em seu leptops arquivos que não tenham pagado direitos autorais. Como se a grana arrecadada por venda de obras digitais fosse parar nas mãos dos criadores.Velhinhas de Taubaté ainda existem.

Ledo engano. Oficialmente, 10% do total do preço de capa são entregues aos autores. Só que existe a pirataria das próprias gravadoras que dominam o mercado mundial. O Lobão, que há anos trava uma luta desigual com esses empresários, pediu tão somente que os CDs fossem numerados para que os artistas tivessem um mínimo controle sobre os seus direitos. As gravadoras, ou melhor os capitalistas que controlam o mercado, fizeram de conta que a conversa não era com eles. Como o Lobão, tem outro grande número de autores mais esclarecidos que estão se lixando para os downloads. Essas gravadoras produzem 200 mil cópias e dizem que só venderam 50 mil. É o que se pensa.

Para se ter uma idéia do que falo, a única entidade empenhada em fechar os sites com links para downloads é a Associação Brasileira de Produtores de Disco. De brasileira não tem nada.É encabeçada pela Sony e tem ainda a MK Music, Music Brokers, The Walt Disney, Universal Music e Warner Bros. Coisa mais gringa, não? Esses piratas que há décadas sugam de forma impiedosa a produção artística nacional já deviam ter pegado o beco há muito tempo. Mas como uma medusa, querem continuar enganando a todos com essa falsa fachada de defensores de empregos, e, é óbvio, a remeter os lucros para suas matrizes localizadas em terras ianques. No dia que não tiver mais uma única gravadora dessas por aqui, vai acabar a pentelhação contra nós e todos poderemos acessar obras culturais com toda paz de espírito que precisamos. Essas empresas também são responsáveis pela criação de toda a legislação brasileira sobre direitos autorais, através de lobby junto ao Congresso Nacional. Disso ninguém, fala.

Vale destacar que essa meia dúzia de atravessadores da cultura brasileira são os responsáveis pelos pagamentos de jabás e rádios e TVs que impõem a todos o tipo e a qualidade de música nacional. Praticamente nenhum emissora ou estação coloca nenhuma música para transmissão se não for mediante o pagamento de uma gravadora. Acha que não? Grave alguma coisa independente e distribua com os DJs Brasil e a fora e veja se consegue se transformar em sucesso a sua obra. Conheço muita gente boa que nunca vai galgar o estrelato porque não conhece esse caminho das pedras.

Compro CDs sim. Mas reservo-me ao direito de só adquirir alguma coisa pagando quando é na saída ou entrada de algum show, e sei que o selo é independente. Essa é a minha contribuição para o fim da pirataria.

quarta-feira, maio 6

Questão de mau gosto

Algumas coisas eu sempre achei esquisitas. Outras, passei a achar. Não consigo mais hoje conceber como é que alguém que nunca foi ao Rio de Janeiro, não sabe nem aonde fica a praia do Flamengo e muito menos a Gávea se engraça por um time que tem como mascote um urubu. Acho vergonhoso isso. Principalmente quando se trata de um povo de um estado que é totalmente discriminado de todas as formas. Gente que sofre como ninguém por conta de um desequilíbrio econômico regional severo. Como não existe em nenhum outro país do mundo.

No Castelão, vai rolar a bola para decidir que avança na Copa do Brasil. Fortaleza pega o Flamengo, e suspeita-se que o estádio será praticamente neutro. Porque o torcedor das bandas de cima do país teima em bater palmas para os nossos conquistadores. Torcida do Ceará vai travestir-se de rubronegro, e gritar como se carioca fosse. Coisa mais boba. Não consigo imaginar um paulista torcendo pelo Vasco nem um catarinense desfraldando a bandeira do Inter ou do Grêmio. Mas povo colonizado é povo colonizado, pode ter certeza.

Não adiantou anos e anos de esquerda bradar contra o imperialismo ianque. Parece que está no sangue dos subjugados amar com toda força o estrangeiro. Em Sobral, cidade que hoje está debaixo d’água, já presenciei carreata para festejar título do campeão carioca. Cena patética e constrangedora. E ainda há quem diga que isso é a coisa mais normal do mundo. Normal porque faz parte da ideologia da rede Globo impingir ao país toda a carioquês cultura. Novelas, minisséries, produção cultural, peças de teatro, cinema. Tudo preparado para o restante do país tecer reverências aos nossos aculturadores. Enquanto isso, prefiro não pensar que essa babaquice vai acontecer logo mais.

segunda-feira, maio 4

Questão de gosto

Revista People indicou a Primeira Dama dos Estados Unidos como a 12ª mulher mais bonita do mundo. (Clique no link para ver a notícia na íntegra).



Por questão de justiça a revista deveria ter também destacado a ex BBB Solange Iarnuou. A identidade secreta de Michele.

Os beócios de plantão

A verdade é que não gosto muito (nem muito, nem pouco) do termo politicamente correto. Se é politicamente, não tem como ser correto. Vai ser sempre alguma coisa manipulada com algum objetivo de satisfazer interesse de alguém ou algum grupo. Mas é uma praga que está se espalhando pelo mundo.

Aqui, a Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência chegou a lançar uma cartilha sobre determinados termos que deveriam ser evitados em nome do politicamente correto. Felizmente, o nosso presidente Lula usa quase todos e a cartilha foi relegada ao ostracismo. Mas não tarda surgir mais um infeliz para reabilitar essa paranóia coletiva.
Vejam alguns dos termos que deveriam ser abolidos da língua portuguesa, não fora o bom senso de alguns intelectuais, como Ubaldo Ribeiro que reagiram:

Africano: Essa palavra deveria ser substituída pelo país de origem. Tipo egípcio, ou Botsuanês, ou Ruandês. Interessante que não há na cartilha nenhuma referência a europeu, sulamericano, ou asiático que podem continuar existindo. O único continente que desapareceria seria a África. Quer preconceito maior que esse?

Anão – todos teriam a mesma altura. Os anões poderiam ser chamados de pessoa verticalmente prejudicada.
Baitola, assim como Viado, não poderiam mais designar homossexuais. Todo seriam “gay”. Só que por se tratar de um estrangeirismo, cria-se um problema com os puristas que querem abolir termos não oriundos do português de nossa fala.

Barbeiro – Os profissionais não estariam de ser comparados a pessoas que não dirigem bem no trânsito. Assim, ao invés de você gritar esse termo para alguém que cometeu alguma estupidez atrás do volante, teria que apelar para alguma coisa do tipo: “motorista inepto apesar de habilitado”, ou “condutor desatento com as normas de trânsito”. Lindo, não?

Barraco – Por se tratar de um termo que é usado como sinônimo de confusão, as habitações precárias não poderiam ser tratadas assim. Poderíamos chamar de alguma coisa como “moradia modesta habitada por população de baixa renda”.

Bêbado- Não haveria mais. Os chegados a uma beiçada em um copo seriam chamados de alcoólicos.

Bem, vou ficar só no B para não ficar muito cansativo. Mas no C tem um termo que esse sim, deveria ser evitado. É um tal de colaborador. Está se evitando o termo trabalhador para que haja ao mesmo tempo a suspensão dos direitos trabalhistas. Se todos são colaboradores, não há relação de empregado – empregador, todos seriam parceiros. É que se quebre o mais fraco.