Follow by Email

quarta-feira, maio 12

O Mundo Imaginário do Dr. Parnassus


Definitivamente, O Mundo Imaginário do Dr. Parnassus tem problemas. O filme conta a história de um homem, que alega ter mais de mil anos, dono de um circo mambembe procurando atrair escassos clientes pelas ruas de Londres. Ele oferece uma viagem ao inconsciente que existe dentro de cada um. Ao mesmo tempo, enfrenta o peso de uma dívida com o diabo. Terá de entregar, em poucos dias, a sua filha de 16 anos, o preço de ter recebido do capeta a mortalidade e a de conquista da mãe de sua filha.

Mas como o diabo não se furta a uma boa aposta, Parnassus e Coisa-Ruim resolvem disputar cinco almas. Se vencer, o protagonista não precisará mais entregar a sua filha, que sonha com um futuro bem diferente na vida que leva. Ela quer marido, casa, filhos e outras comodidades próprias do mundo moderno. Até aí a história tem um desenvolvimento interessante. alguma coisa entre o Sétimo Selo de Bergman e Fausto, de F.W. Morneau, baseado na obra de Goethe.

Mas a coisa começa a degringolar, na minha visão com a entrada do personagem vivido pelo precocemente falecido Heath Ledger. A princípio ele surge para auxiliar Parnassus contra o diabo, depois passa a ser vilão, ou não, e o filme vai perdendo o protagonismo para ficar a reboque do embaraço do roteiro. Não se consegue criar empatia com ninguém e o anaozinho que acompanha a troupe passa a ser um personagem bem mais interessante, apesar de ter como única função se apresentar como alter ego de Parnassus. As cenas mais dramáticas não comovem exatamente porque você não sabe de que lado está o protagonismo ou o antagonismo.

Mas nem tudo está perdido. a direçao do ex-monty Python Terry Gillian encontra um pouco de lucidez ao mostrar o imaginário de Parnassus, um homem que nunca completa as histórias que conta. Ao cruzar um falso espelho, os personagens encontram o que se passa dentro de si. Um mundo multicolorido além do 3D, graças a Deus, que nos dá o que ver e o que pensar. Esse filme, sem dúvida, está longe de ser imperdível, mas também não é total perda de tempo.

2 comentários:

Fernanda Sousa disse...

peguei magnólia pra ver
=D

Raquel Cavalcante disse...

Pelo menos gera curiosidade. Beijocas