Follow by Email

sexta-feira, junho 26

A estrela desce

Beat It é a minha preferida entre todas as suas. Michael Jackson. Sempre gostei muito mais de vê-lo do que ouvi-lo. Embora gostasse do seu funk-soul swingado. Inigualável em tudo que fez. Ou quase tudo. A começar pelos números astronômicos de venda de discos. Ninguém vai batê-lo porque a Net não deixa mais. Uma hora dessas, os downloads devem estar troando por todo o mundo. Nasceu para o estrelato, não para ter vida própria. E como um personagem que acaba quando acendem as luzes, se foi numa tarde de sol de Los Angeles.

Sinto um misto de reverência ao ídolo que brilhou em proporções estelares e um abuso pelo excesso de incenso posto no altar pela mídia de todo o mundo. Ofuscou tudo o mais em volta. Todos os outros fatos foram reduzidos a quase nada nos noticiários. Esqueceu-se as mortes no Irã, as falcatruas no Senado, os mortos que ainda bóiam no Atlântico, jogados por um Airbus despedaçado em pleno vôo. Gripe suína resumiu-se a um resfriado de fim de semana. O mundo agora é outro sem o cantor show man americano.

Vida própria parece que ele nunca teve. Quis parecer normal e casou-se. Viu que não dava para o riscado, separou-se. Arrumou uma reprodutora que lhe pariu rebentos. Como pai, esticou a baladeira e pendurou o filho na varanda, como demonstrando ter o poder da vida e da morte. Não é normal um elemento que cria uma Neverland para atrair crianças. Imitação de bruxa de contos infantis. Tudo era over. Queria realizar mais 50 shows. Não deu. Fica para a próxima.

3 comentários:

Laritz disse...

Ele era o Rei do Pop. Um artista de inegável talento. Eu gostava muito dele. E vou guardar suas músicas para sempre.

Penso que para ele foi melhor ir embora agora, quando o mundo ainda guarda uma lembrança bonita de suas músicas, de seus passos, de sua contribuição ao mundo pop. O tempo seria inexorável com ele. Ele iria definhar, cair no esquecimento e mais adiante seu obtuário mereceria apenas duas ou três linhas na imprensa.

O mundo, com certeza, ficou mais triste. Bem mais triste.

Beijos!

Raquel Cavalcante disse...

Olá! Quando li seu comentário pensei que você talvez tivesse me achado muito crítica, mas vejo que compartilhamos de muitas opiniões. Não nego que ele foi um excelente artista, não é à toa que tenho dois vinis do artista. Mas como pessoa! Sei que ele foi molestado quando criança pelo pai, o que pode explicar, mas não justifica sua pedofilia. E como trabalho com crianças, e já ter presenciado um caso desses no trabalho, não posso ser conivente. No mais, gostei muito do seu blog. Passarei mais vezes por aqui. Beijos

Fernanda Sousa disse...

olha q eu encontrei para usted: http://www.youtube.com/watch?v=5FnVpBn3ZRc