Follow by Email

segunda-feira, janeiro 28


Para não dizer que não falei de flores, a foto acima é de Sara, amiga e companheira de viagem, acompanhada de Xuxinha, uma nova amiga que conquistou a todos por sua simpatia, em terras mineiras. Isso não tem nada a ver com o restante do texto.

O BBB 8 já tem um vencedor. Ou melhor, uma vencedora. Seu nome é Gyselle. Ela faz o modelo ingênuo e bobo, pouco culta é perseguida pelos companheiros de casa. Isso é o suficiente para atrair a atenção do público.

Nessa edição, os jogadores são os mais profissionais de todos até agora. Todos parecem representar um papel bem delineado por um roteiro que acreditam levar a um milhão de reais. A moda agora é votar em alguém e se roer em lágrimas no momento seguinte, como se aquela atitude tivesse causando profunda dor. Como se cada ato não fosse milimetricamente estudado. Quem tratou o desenvolvimento do jogo com desdém rodou ligeiro, como foi o caso do cearense Rafael.

Tem muita gente que não gosta de BBB. A raiva contra este programa chega a tal ponto que é capaz de mobilizar todo um esforço para se produzir uma chatíssima apresentação em Power Point desfiando petardos contra a produção global. Chegam até a comparar com o criança esperança, que não consegue arrancar tanto dinheiro do público quanto o programa da Edemol.

Mas ao contrário desses críticos, eu gosto. Para mim é como um zôo humano, que mostra como muitas vezes como são as estratégias que adotamos no dia a dia para conseguir nossos objetivos. Como há pessoas capazes de se fazer de amigo para no momento seguinte meter o malho e nos colocar em situação difícil perante o nosso meio social. A gente pode até dizer que conhece bem determinadas pessoas, mas não pode se atrever a dizer que todas as suas reações são previsíveis. Quem se achar dono da bola de cristal das personalidades outras está fadado a ter profundos constrangimentos. Eu, no momento, estou me sentindo mais ou menos assim. Participando de um BBB, no paredão, prestes a ser eliminado da casa....



2 comentários:

www.jotelog.cl/jornalintimo disse...

A Sariiiiiiiiinha!
hehehehe
Acho o BBB apelativo, acho o nome em inglês triste(em todos os países que fazem o programa, é dado o nome na língua pátria) e acho que a intenção real do programa passa muito distante dessa sua óptica otimista de encarar paredões, eliminações e estratégias. Se a intenção original era de transmitir um reality show baseado na vida real, essa idéia já foi desvirtuada há muito tempo após descobrirem o quanto a beleza, as bundas e os escândalos podem ser lucrativos. Mais um projeto "interessante" que foi por água abaixo...
Beijão!

www.jotelog.cl/jornalintimo disse...

Fui um pouco egoísta com minha opinião. Que história é essa de "prestes a ser eliminado da casa"? Conversaremos? Não conversaremos? Tudo de bom.