Follow by Email

terça-feira, abril 13

Polícia para quem precisa


Enquanto toda a cidade está em situação de desespero, por causa da violência que pulula em profusão, não sabendo a quem mais pedir socorro, duas viaturas hilux, pagas a R$ 150 mil cada uma, com o dinheiro do contribuinte, do Ronda do Quarteirão, foram mobilizadas para fazer uma maldade sem tamanho. Por toda a manhã de ontem, os policiais serviram como leões de chácaras de dois desqualificados que se arvoram em ser dono de uma casa abandonada há mais de 20 anos.

O imóvel faz parte da massa falida da antiga indústria de processamento de cera de carnaúba, e, portanto, pertence aos credores. Só que no Brasil as coisas não funcionam do mesmo jeito para todo mundo. Quem tem bala na agulha manda. Justiça é bem de luxo. Só tem quem pode. E foi o que aconteceu. Um grupo de artistas de ruas, que ocupavam a casa há vários meses, viu a sanha desses que se arvoram de proprietários seguir o seu curso. Trouxeram uns peões que armados de picaretas e marretas fizeram muitos estragos na velha construção, num esforço de impedir a ocupação. Tudo isso, é claro, com o apoio dos policiais, que provavelmente recebeu o "por fora".

A população que mora aqui perto, acorreu ao local, tentando sensibilizar de alguma forma os verdugos. Mas a conclusão da demolição só foi impedida com a chegada de representantes do escritório de direitos humanos da Assembleia.

A casa estava abandonada há 20 anos, e por muito tempo serviu de covil de marginais. Poucos foram os moradores das cercanias que não soferam a ação dos bandidos, entregando celulares, carteiras e relógios. Até uma morte já aconteceu no local, sem quem nunca, a qualquer tempo, nenhum dos atuais usurpadores apareceu. Também nunca ninguém se responsabilizou pela imundície que reinava no local, antes dos novos e legítimos ocupantes chegarem, trazendo a limpeza, arte e um pouco mais de tranquilidade. No momento, eles voltaram a habitar o imóvel. Mas até quando?

A matéria no jornal o povo pode ser lido neste link.

Nenhum comentário: