Follow by Email

quarta-feira, agosto 13

Vaidades & Diabos


Para transformar o simples em sofisticado, basta por caviar em cima


O pecado que eu mais gosto é a vaidade. Acho que é mais ou menos esta a frase que o diabo diz, encarnando John Milton, que é representado por Al Pacino no filme Advogado do Diabo (1997). Faz muito tempo que assisti, mas até hoje ficou gravado. Talvez porque sempre me lembro dela quando vejo alguém exercitando excessos de amor próprio.

Para mim, existem dois tipos de vaidades. E só um assume contornos diabólicos. Será?

O primeiro tipo é aquele desejo de ter uma boa aparência, uma roupa dentro dos conceitos estéticos, cabelos arrumados, um jeito agradável de se apresentar. Infelizmente, muitas pessoas que tratam com tanto zelo alguns pontos de imagem não conseguem apresentar atitudes correspondentes na forma de tratar com os outros. Mas isto já é outra história.

A vaidade que considero nefasta é aquele que funciona como o disfarce da arrogância, e se traveste, na maioria das vezes em orgulho. É o esforço para aparentar ser melhor que os outros, procurar uma posição de destaque, que a maioria das vezes se impõe pela força. É querer parecer superior pela empáfia que arrota. É a parceira ideal do sucesso.

No filme, o diabo contrata o advogado Kevin Lomax (Keanu Reaves), que nunca havia perdido uma causa sequer, em sua pequena cidade da Flórida, e o leva para Nova York. Lá, todo o seu talento é posto a serviço de um autor de um triplo assassinato. A vaidade de Kevin, não o deixa perder a disputa judicial, deixando um criminoso livre. E isso é apenas o começo para o talentoso jurisconsulto se perder completamente por sua vaidade. Cuidado com ela!.

3 comentários:

Crisálida disse...

Se eu fosse o Capeta, o pecado que eu mais gostaria, seria a arrogância, que é derivada da vaidade. Acho que o arrogante é aquele que tem uma queda mais bonita do pedestal, e aquele que mais o "Diabo" consegue pegar pelo rabo...
Gostei do teu blog...
Ah, eu não sou portuguesa, sou brasileira e carioca, graças ao bom Deus! Por isso gosto de sexo, ou pelo menos assumo que gosto... :-)))

Mosana disse...

eu amo esse filme, advogado do diabo. sensacional; e vi n vezes
kisses

fatima disse...

A vaidade mostrada está longe da que a gente disfarça, que grita dentro de nós, e por gritar tão alto, nos faz cair bonitinho.

No entanto, é preciso cair para perceber o quanto também ela é desnecessária.

Viver é um exercício contínuo de driblar o diabo da vaidade. É quando a gente mais comete equivocos.

Gostei demais deste post. Também vi o filme mais de uma vez, só para perceber o ponto exato de onde eu deveria mudar.