Follow by Email

sábado, junho 28

Nem todos são inimigos

Sergio Murilo - Presidente da Federação Nacional dos Jornalistas

Olho com um certo ar de desejo para a sorte do povo cubano. Gente que sofre agruras cotidianas, escassez de toda sorte de gêneros, mas que tem a sorte de ter um inimigo comum que aproxima os irmãos. Enquanto Cuba tiver uns certos estados unidos fustigando, podem ter certeza que aqueles nossos irmãos latinos estarão perfilados ombro a ombro, na defesa de sua sociedade, seu território, seus ideais, sua cultura, seu direito de existir como nação.

E nós o que temos? Uma tal de globalização inventada por interesses capitalistas que transforma tudo em mercadoria. Nossos inimigos são difusos e desonestos. E o pior, eles colocam todo o intelecto formado na academia a serviço dos que se locupletam da mais valia. Estranho, não?

Estranho mesmo é ver, um artigo em um jornal, produzido por um jornalista professor universitário de um curso de comunicação social oferecer uma série de argumentos desonestos pela extinção da exigência de uma formação acadêmica para o exercício profissional do jornalismo.

Se a sua argumentação não fosse desonesta, ele seria o desonesto. Como é que se diz que uma faculdade é absolutamente inócua para o exercício profissional sendo um dos professores desse curso? Na mais razoável das hipóteses está confessando a sua completa incompetência de participar na formação de profissionais jornalistas. Deveria então devolver tudo o quanto recebeu como professor universitário.

Mas a gente sabe, eu pelo menos sei, que o pseudo intelectual militante da academia está a serviço de interesses de terceiros. Ele busca tão somente fazer uma média (provavelmente com alguma compensação) com os empresários da comunicação, que querem transformar as redações em balcão de negócios. Notícias também chamadas de rec-rec (recomendadas pela direção da empresa) passariam ser a principal mola dos noticiários. A área redacional não se distinguiria dos textos publicitários. A cada “notícia” veiculada lucros seriam contabilizados pela venda do espaço. É esse o futuro que a liberdade de imprensa terá se alguma coisa não for feita para impedir este assustador andar da carruagem.

Quando lembro que tantos jornalistas e outros profissionais deram a vida para assegurar as liberdades de imprensa e democráticas do país e agora aparecem imbecis de todos os lados querendo sepultar um passado que teve as suas glórias, coro de vergonha.

Quem quer saber a origem das abobrinhas teleguiadas, basta clicar aqui.

6 comentários:

Mosana disse...

Creeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeedo!
Alguém por favor abata este homem!
E se enviarmos o suposto professor de meia tigela a Cuba dizendo que oi infeliz é americano?? hein hein??
huahauahuahah
kisssss

Suzi disse...

Olá, Julio!
Vim retribuir sua carinhosa visita, e chegando aqui encontro um texto que trata exatamente de três assuntos que me atraem, extremamente!
Cuba, jornalismo e educação.
Pra mim, um prato cheio! e as idéias, muito bem postas.
Assino junto com você!

Grande abraço!

fatima disse...

Bom, vou copiar o que diz o nosso amigo Renato Abreu, quando lamenta ou critica algo: "Triste"

www.jotelog.cl/jornalintimo disse...

Sabe o que eu tô começando a pensar? Que se envolver muito com essas histórias dá um desgosto danado. É dura a realidade.

www.jotelog.cl/jornalintimo disse...

É, teve endereço certo sim.
Aquelas duas meninas da foto foram grandes amigas minhas há uns 7 anos. Semana passada foi o aniversário de uma delas e eu aproveitei pra dar uma passadinha na casa dela, só pra desejar tudo de bom mesmo. Aí fiquei pensando naquelas coisas que eu escrevi. Teve endereço certo porque escrevi pensando numa amiga minha que lê o fotolog e que tá sem falar comigo por causa de umas coisas aí, mas é como eu escrevi, umas picuinhas.
como foi o desfecho daquele dia? fiquei preocupada.
ah, e tô te achando meio desanimado. beijão!

www.jotelog.cl/jornalintimo disse...

nem te conto que minha tia tirou xerox desse artigo desse professor, que eu nem tinha visto, pra me entusiasmar com a profissão. o pior foi quando eu tentei explicar pra ela por quê aquele artigo é uma impostura. ela não entendeu, mas tudo bem. vou indicar teu blog.