Follow by Email

quinta-feira, abril 9

Efeito Susana Vieira


Bom retornar a escrever despretenciosamente depois de um período em que me afastei desse desprentencioso blog, envolvido que estive com atividades que me absorveram em boa parte do meio tempo antes livre. Valeu à pena. Voltei. (Enquanto baixo o filme do Wolverine que ainda não entrou em cartaz nos cinemas daqui).

Por esses dias passei a perceber uma nova dimensão da realidade que me cerca. Hoje, mais que ontem há um grande número de mulheres se envolvendo com homens mais novos. De todas as faixas etárias. Chamo a isso de efeito Susana Vieira. (A atriz, na altura do campeonato, já deve ta pegando algum menininho novamente. O último que o Google registra é um de 25 anos).

Mas por que isso está acontecendo? Há algum tempo, não era raro alguma menina, de 15 anos, que fosse (e eu ouvi muito isso) falar que o leite ninho estava caro (e continua caro), para desdenhar de forma muito clara o seu desinteresse por garotos mais novos ou de sua idade, que fosse. Só valia a pena se o cara fosse no mínimo 20% de sua idade mais velho. De 15, então, queria um de 17 ou 18. De 20 um de 24 ou 25, e por aí vai. Isso era o normal, plenamente aceitável pelas convenções sociais de relacionamento. Se algum amigo de 15 ou 16 anos (quando eu tinha essa idade) conseguia catar alguma menina mais velha, era logo visto como felizardo, ou “cabeça”. Afinal de contas, meninas mais experientes eram sempre interessantes para uma ficada ou até um namoro descompromissado, sem perspectivas de casamento a médio ou longo prazo...

Mas o tempo avança e nada continua do mesmo jeito. Hoje, apesar das torcidas de nariz de algumas mulheres a isso, virou super comum, quase moda, mulher catar menininho. Soube até de um amigo, de 15 anos, que está saindo com uma de 21. A "peguete" pára o carro, buzina diante da casa dele, e ele sai para dar um giro na cidade com a consorte. O medo da mãe é ele se apaixonar e sofrer com desdobramentos futuros. Será?

Meus miolos não se aquietam quando pensa nessa modernidade. O que está levando às mulheres mudarem tanto os seus conceitos em relação aos seus parceiros? Não creio que seja desespero, ou medo do caritó. Penso que tenha alguma coisa a ver com a dominação entre os sexos. Se antes a mulher era totalmente dependente, emocional e financeiramente de seus parceiros, e sempre coube ao homem o papel de financista, a coisa está bem mudada, e continua mudando na direção contrária. Mulheres pegam, penso eu, os mais novinhos para determinar um padrão de poder. Ela está estabilizada economicamente e portanto dita as regras da convivência. Se quiser, é assim. Se não quiser, desocupe a vaga.

Acho mais confortável pensar que a questão é essa do que acreditar em uma segunda alternativa que se apresenta. Mulheres estariam adotando um padrão masculino na escolha de seus parceiros. Não interessa mais a busca do pater famílias, provedor e estuário da segurança emocional. Mas um corpinho sarado, disposto e sem conflitos existenciais. O resto, pode deixar que elas têm condições de se virarem sozinhas. Será isso? Aqui estou, totalmente aberto a terceiras avaliações.

4 comentários:

Mosana disse...

acho que o que rola é mais ou menos isso sim.. uma coisa bem aleatória... descompromissada sim...
nunca fui fã de fedelhos.. mas tenho amigaS que se amarram.. e dizem que faz um bem danado pra auto-estima!!!
anyway ridow tem apenas 31.
ps: já fiz meus filhos assinarem documento se comprometendo a jamais namorarem com a Suzana Vieira!!!
Feliz Páscoa!
Kisses

Fernanda Sousa disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
a suzana vai atacar os filhos da Mosana!!!!
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

eu acho q a suzana tem q trabalhar mais, a globo tá pagando pouco a ela e ela tá sem capital pra pagar um bofe melhorzinho, esse aí tá muito derrubado! pronto desabafei!

e eu detesto fedelho tbm! nam!

kate disse...

Respondi no meu blog...rs
beijos.
Otimo te ter de volta. Saudades absurdas

Laritz disse...

Penso que esse tipo de relação deveria ser apenas para lazer, mas acontece que as mulheres acabam adotando os meninos, dando casa, comida e roupa lavada, além de certo status (que horror!). E isso vira um círculo vicioso, extremamente favorável àqueles que não gostam de trabalhar.

Hoje em dia, infelizmente, virou profissão rentável ser namorado de (pseudo) celebridade. Tempos "mudernos", meu caro Watson.

Beijos!